Artículos de opinión

Aporte de las mujeres rurales

Mónica Novillo G.

Domingo, 19 Noviembre 2017

Envíe su artículo

Posts @IPDRS

Amigos da Terra lonxe de estar en desacordo coa decisión final da Xunta de Galicia de impedir a posta en marcha do monstruoso e perigoso proxecto mineiro aurífero de Corcoesto, queremos deixar constancia de que non podemos entender como nun primeiro momento o ente autonómico puido aprobar un DIA (Declaración de Impacto Ambiental) a un proxecto que a todas luces suporía un monumental impacto ambiental e paisaxístico sobre toda a comarca de Bergantiños. Un risco de todo intolerable. 

O impacto sería especialmente significativo sobre o río Anllóns e a ría de Corme, sobre os que penduraría a espada de Damocles dunha balsa tóxica xigante, semellante ás que desataron as catástrofes de Aznalcollar, en Doñana, ou a máis recente e terrible de Bento Rodrigues, no Brasil, que é a última dunha longa lista de desastres que exterminan ambiental, social e economicamente os territorios afectados.

A Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) publicou um edital de chamada pública para a compra de alimentos da agricultura familiar. Até o dia 26 de abril, agricultores de cooperativas e associações podem participar da seleção, que vai adquirir mais de 230 toneladas de alimentos até o final do ano.

A compra será feita por meio da modalidade Compra Institucional do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). Os alimentos – grãos, hortaliças, frutas, verduras e legumes – vão ser servidos em três restaurantes universitários da instituição de ensino. Por dia, em média, são ofertadas cerca de 10 mil refeições, nos turnos da manhã, tarde e noite. O investimento previsto para a compra é de R$ 940 mil.

As mulheres rurais e as quilombolas dos municípios maranhenses de Porto Rico do Maranhão, Mirinzal, Cedral, Guimarães, Central do Maranhão, Bequimão e Alcântara terão a oportunidade de colocar em dia, gratuitamente, a documentação. Entre os dias 12 e 21 deste mês, os sete municípios recebem mutirões do Programa Nacional de Documentação da Trabalhadora Rural (PNDTR/ MDA). A expectativa é que sejam atendidas mais de cinco mil pessoas.

Durante os mutirões itinerantes, as trabalhadoras rurais poderão tirar primeira ou segunda via de documentos, como carteiras de identidade e de trabalho, primeira via do CPF, bem como requisitar o número de identificação do trabalhador (NIT/Previdência Social), a Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP) e o Certificado de Cadastro de Imóvel Rural (CCIR). Também serão prestados serviços de fotografia, cópia de documentos, registro no INSS e informações sobre o Bolsa Família.

A ideia de construir a Casa das Mulheres começou faz três anos. Sonho das irmãs Ana Terra e Watatakalu. Contaram com o apoio e a ajuda do pai, Pirakumã Yawalapiti, um dos poucos homens a incentivar a iniciativa. Sua morte súbita no ano passado interrompeu a obra por um tempo. A inauguração está prevista para agosto

Na tradição indígena, a Casa dos Homens é o lugar onde eles se reúnem para tomar decisões. Mulheres não entram. Isso vale para outras situações. Em algumas etnias, como os Yawalapiti, do Parque Indígena do Xingu (PIX), existem objetos sagrados, como as flautas sagradas, que não podem ser vistas por mulheres.

Ana Terra Yawalapiti e sua irmã Watatakalu fazem parte de um grupo de mulheres da aldeia Tuatuari, no Alto Xingu, que iniciaram no ano passado a construção da Casa das Mulheres, um sonho que acalentavam há anos. 

A agricultura familiar brasileira vem ganhando o mundo com a qualidade de seus produtos. A demanda por orgânicos é crescente e o mercado europeu se destaca como um dos mais importantes. E para facilitar o acesso a esse espaço, o MDA decidiu coordenar uma iniciativa, um projeto, para fortalecer cooperativas e associações, ou redes, de agricultura familiar na oferta e comercialização de seus produtos, com foco no mercado europeu.

Os interessados em participar como possíveis beneficiários do ‘Projeto de Promoção Comercial Internacional da Agricultura Familiar de base agroecológica e orgânica’ tem até o dia 25 de abril para se cadastrarem no site do MDA. A inscrição foi lançada por Chamada Pública, que prevê a identificação de interesse, adesão, habilitação e classificação dos empreendimentos que tenham interesse em participar da iniciativa.