Artículos de opinión

Tipnis = Agua

ELIZABETH VARGAS SOLÁ

Domingo, 17 Septiembre 2017

Agronegocio: práctica y discurso

Enrique Castañón Ballivián

Jueves, 03 Agosto 2017

Envíe su artículo

Posts @IPDRS

Segundo relatos das comunidades locais, a Polícia Militar Ambiental de Januária e seis capangas encapuzados da Fazenda Esmeralda invadiram ontem (10) uma área da comunidade Vazanteira Esmeralda localizada em área da União – área de LMEO, em Itacarambi. Área que deve cumprir a função sócio-ambiental.

Segundo relatos, os PM’s estavam em uma caminhonete Ranger, viatura da Polícia Militar Ambiental, ainda o grupo levou um trator. Destruíram a comunidade – barracos e os pertences da comunidade – um ataque à vida das 16 famílias Vazanteiras. Cortaram 1.500 m de cerca que foi colocada pelas próprias famílias e roubaram o arame. Passaram máquina nas roças destruindo o pouco cultivado e ainda roubaram uma carroça de um dos moradores.

Os Vazanteiros vivem e reivindicam seu território tradicional e estão com suas vidas ameaçadas. Recentemente um camponês foi assassinado na região. As famílias estão atentas, o clima está muito tenso, pois essa onda de violência que já vinha ocorrendo está agravando-se. É a segunda vez que os fazendeiros destroem os barracos dessas famílias. As famílias exigem justiça. O Estado é omisso e não pode deixar mais esse crime acontecer.

Como a PM do governo Pimentel age dessa forma??? São crianças, idosos, pessoas em situação de pobreza que só querem um lugar pra viver com suas famílias em terras que não são de fazendeiros, mas sim direito das comunidades tradicionais. Os fazendeiros querem além da terra, controlar e dominar o acesso e o uso da água do São Francisco. Rio quase morto de tanta degradação, principalmente pelo agronegócio. Cobramos providências dos órgãos responsáveis.

 

Foto e texto: Racismo Ambiental

Artículo original disponible en: http://racismoambiental.net.br/?p=223854

Escribir un comentario


Código de seguridad
Refescar